Menu

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Os fãs de Michael estão sendo o legado? - Parte II de III

 Os Fãs de Michael Estão Sendo o Legado? Parte II




 

Escrito por Rev. Barabara Kaufmann

Traduzido por Daniela Ferreira para o blog The Man in the Music


 


Michael Deixou um Projeto para os Fãs!

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
"Nós conversamos sobre psicologia, Freud e Jung, Hawthorne, sociologia, história negra e sociologia de como lidar com questões de raça... Mas ele era muito bem lido nos clássicos da psicologia e história e literatura... Freud e Jung – desça a rua e tente encontrar cinco pessoas que podem falar sobre Freud e Jung." Bob Sanger, Procurador de Michael Jackson sobre Michael Jackson. 

É amplamente conhecido entre os fãs que Jackson era bem lido e que a biblioteca dele tinha uma estimativa de 10.000 livros. Quando os donos de livraria na área de Santa Monica e LA comparam notas depois da morte dele, muitos ficaram surpresos ao descobrir que ele tinha comprado livros em todas as suas lojas. 

Não apenas um leitor voraz, mas um estudioso, os livros de Michael Jackson estavam cheios de anotações e rabiscos e, às vezes, enquanto estudava um assunto, ele elaborava cadernos adicionais separados com ilustrações–coleções de conhecimento sobre um assunto que o fascinava. Quando ele queria se tornar bem informados sobre um assunto por causa da arte dele, ele encomendava a pesquisa. 

As letras de músicas de Michael Jackson, assim como o simbolismo e semiótica que graçam os curta-metragens revelam o amplo conhecimento dele sobre literatura, incluindo os clássicos, e uma veia pouco conhecida do conhecimento que é transcendental, gnósticos e que informa os estudantes da espiritualidade esotérica. Os curta-metragens dele intercalados com outro trabalho dele criam um roteiro para a mente dele e o que preocupa a mente dele em qualquer momento da vida criativa dele. O observador atento e sábio, tendo viajado paralelos caminhos espirituais, irá reconhecer um semelhante investigador espiritual. Michael Jackson era um investigador e, sim, "leva alguém a conhecer alguém". 

Como uma espécie de aperto de mão secreto entre as sociedades secretas, como a maçonaria, mesmo garotos escoteiros, ou o grupo conhecido como os Criativos Culturais – aqueles que vivem fora do círculo interno não reconhecerão os sinais ou conhecerão as sequências nem significados, símbolos ou rituais característicos daqueles que vivem no interior. Eles não querem saber a saudação secreta. Eles não reconhecerão a linguagem na comunicação entre os candidatos, que são almas gêmeas.

Uma espécie de aperto de mão metafórica é codificada na linguagem da vida espiritual que um buscador ouve quando outro candidato fala. Alguém não “acontece” em tal caminho. Um evento de mudança de vida ocorre e alguém é chamado a algo além de si mesmo.

O caminho espiritual, a iluminação, o caminho que desenvolve a consciência, é chamado por muitos nomes. O ponto em comum desses caminhos em direção à realização de si e dos movimentos humanos muito além da vida, que é baseado no ego humano.

 

 


 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
As pistas, a literatura, o caminho é codificado em muitos lugares: gnósticos, esotéricos, Copta, hermético, essênio, Christine, alquímico, transcendental, teosófica, xamânica, mística... A busca de sentido pode ir a fundo, particularmente quando provocada por esmagadora crise existencial. 

Buscadores da luz – definido para os nossos propósitos como "encontrar o divino no interior", adotam uma enigmática comum e codificada linguagem marca que se torna familiar ao buscador que tenha tido um mentor / guru / xamã tomando várias formas de "professor". 

Os professores da divindade dentro do espírito humano podem vir na forma de: pessoas, livros, eventos, transições, animais, guias, sonhos, geografia, música, e podem se mostrar nas realizações mais improváveis. Quando alguém está destinado para o caminho espiritual, os professores aparecem magicamente no meio do caminho. A viagem pode começar como curiosidade ou necessidade, e, quase sempre, vem em seguida a pânico, choque ou trauma, uma emergência espiritual de algum tipo, que catapulta alguém para dentro de uma crise existencial chamada pelos místicos: "oite escura da alma". Essa viagem é um tipo de doloroso "buraco negro" ou vácuo, que é desconfortável e se torna um campo atrator, em razão da quase palpável ansiedade do coração, que brota de um peito angustiado. Esse anseio requintado irradia uma espécie de magnetismo.

Você sabe quão feroz é o "desejo do coração"; anseio da alma é tudo consome. Na enérgica assinatura invisível disso, isso pede respostas, por consolo, por esperança e de luz na escuridão insuportável, isso se torna uma bússola e imã buscando seu verdadeiro norte – anseio da Alma, que transcende o ego encapsulado e se torna o magnífico eu. Místicos chamarram isso de casamento sagrado ou a união com Deus. 

Michael Jackson chamou muitas pessoas para a espiritualidade e unidade durante a vida dele e chamou muitos mais com a morte dele. O carisma e magia dele realizaram um componente bio-energético, com uma completa atração espectro (estranho atrator – um termo da física), que se manifesta no mundo físico como uma espécie de sensualidade, beleza e até a sexualidade que encontra e atinge uma corda ressonante no “outro”. Muitos foram atraídos por essa magia, muitos mais foram batizados por essa energia em concertos de Jackson, e alguns ficaram assustados dentro dela, epla saída repentina dele do planeta.

 












Há um despertar acontecendo. Se você está
esperando por um sinal. É isto!

 

 
Fãs, também, podem ser como uma sociedade secreta, porquealguém é reconhecido como sendo parte de um holograma ou Holon e vê uma ressonância em outro da "família". E quando um indivíduo passa por uma emergência espiritual, despertar espiritual, ou uma chamada para o eu mais profundo (consciente ou não) uma invisível mão / mente /alma alcança para entender e criar uma conexão com o divino. É como se um mecanismo de orientação ou bússola começasse a apontar para o norte verdadeiro da existência humana. Simultaneamente, e no espaço dessa emergência espiritual, as forças benevolentes de existência seguram o buscador ainda e confinados nesse espaço de ansiedade requintada do coração para compreender e entenderas questões existenciais da vida quando elas vêm à superfície: "Por que estamos aqui?”, “Qual é o sentido da vida?”, “Minha vida?”, “O que eu vim fazer aqui?”. 

É o poder do anseio das próprias questões, que se torna o ímã que cria um campo atrator capturando qualquer coisa de ressonância em sua órbita. Ele desencadeia algo que, uma vez posto em movimento, magnetiza e atrai respostas que estão vindo para o buscador. O buscado, ele mesmo ou ela mesma, se torna, então, um campo atrator. Este tipo de desejo de compreender a transformação de si leva o introvertido ao ashram, a estética a imaginar, o buscador a um mentor espiritual, e o estudioso à livraria para encontrar respostas para as perguntas mais importantes da vida. 

Se lermos os passos dele, nós descobrimos que Michael Jackson realizou uma jornada notável em reinos transcendentais e numinosos. Seguir os passos é conhecer o caminho e, no caso de Jackson, o corpo de trabalho dele destaca os passos dele. O amplo conhecimento dele sobre assuntos obscuros, bem como psicologia e arquétipicos junguianos revela-se na arte dele. Escondido da vista está o conhecimento e compreensão dele pelos princípios espirituais universais – ou como o Universo funciona.  Os hábitos de Michael Jackson e raras entrevistas ocasionais expõem o conhecimento esotérico dele e apontam para perícia e uma compreensão do hermetismo, o gnosticismo, misticismo e literatura Teosófica. Ele também viajou o mundo e se reuniu com pessoas de todas as esferas da vida – da realeza aos povos indígenas e tribais de uma nação.

 



 
















É interessante e irônico como algumas pessoas zombam da ideia de um mestre quando se trata de uma forma incomum ou "diferente" de encarnação. Mestres (mestria como na manipulação da matéria em serviço da manifestação e do avanço e da iluminação da humanidade) vêm e vão do planeta em todos os tempos e idades, antigos e modernos. Os mitos que cercam mestres assumem ou, às vezes, exigem que eles devam vir em formas necessárias entram em que são supostos ter para parecerem de determinada maneira compatível com o destino de grandeza deles, talvez, relaeza ou algum tipo de grandeza reconhecível com parâmetros definidos. Não é assim que funciona e, muitas vezes, mestres não são reconhecidos em seus próprios tempos. 

Mattie Stepanek, um exemplo de um mestre contemporâneo recente, publicou sete livros de poesia de paz e foi um palestrante motivacional e professor antes de morrer aos 14 anos. Mattie veio em um corpo quebrado que foi comprometido pela Distrofia Muscular e precisava de um ventilador para respirar e permanecer vivo. O presidente Jimmy Carter disse de Mattie:

“Nós já conhecíamos reis e rainhas, e nós já conhecíamos presidentes e primeiros-ministros, mas a pessoa mais extraordinária que eu já conheci na minha vida é Mattie Stepanek. A filosofia de vida dele era: “Lembre-se de brincar depois de cada tempestade!” ; e o lema dele era: "Pense Gentilmente, Fale Gentimente, Viva Gentilmente". Ele queria ser lembrado como "um poeta, um pacificador, e um filósofo que brincou".




 

 














Quem poderia imaginar um moderno Bodhisattv (uma espécie de mestre) que vem no corpo mutilado de um menininho pré-púbere? Como poderia esse menininho quebrado encarnar tal confiança e maestria, tal fé, na mensagem dele? Porque a alma não se importa nada com o corpo que habita. A alma nasce para brilhar. Mattie Stepanek brilhou. E ele não era "crescido" o bastante ou doutrinado pela vida o suficiente, ou abatido pelas circunstâncias e negativas conversas consigo mesmo para esconder a luz dele. Ele nunca perdeu a inocência dele para o cinismo do mundo. Ele permaneceu imaculado (puro) e verdadeiro à magnificência da alma dele. 

Mas quem poderia imaginar, ou esperar, que um professor viria na forma de uma estrela pop? Uma estrela pop? Ah, simuma figura central (estranho atrator) que comandou a atenção de milhões de pessoas no planeta, enquanto usava a arte e a plataforma dele para iluminar a humanidade. Muitos mestres têm nascido em circunstâncias humildes ou foram cercados pelos ecossistemas comuns. A própria maestria deles tem uma trajetória evolutiva. Muitos mestres têm nascido em circunstâncias pobres ou horríveis, crescidos na grandeza espiritual, demonstrraram uma mestria das leis do universo; e alguns surgiram apenas para ser vilipendiados, humilhados, e até mortos, pelas crenças deles. 

Um mestre nascido de circunstâncias humildes e que aprendeu um ofício humilde, atraiu a fundação de uma religião inteira, que se organizou espontaneamente em torno dele, da vida e da aparição dele no planeta. Visto não apenas como um mestre, mas um Ser Sagrado, esse mestre é lenda viva na forma de uma grande religião. Isso também aconteceu com Maomé, Krishna e outros. No entanto, outros manifestam outros tipos de criações ou organismos de trabalho.

Você pensa que esses mestres ficariam contentes por eles terem sido deificados? Ou será que eles veem essa tendência a divinizá-los como uma distração da verdadeira mensagem? Será que a "reputação" deles e a tendência de vê-los separado e superiores do resto da humanidade, como um desvio do caminho que chama os outros a entrar nas próprias almas concretizadas? Será que Michael Jackson aprova a própria deificação? Ou será que ele vê isso como um desvio do que ele estava tentando dizer com a mensagem dele enquanto estava aqui na terra? Será que ele prefere a própria exaltação ou, em vez disso, ele esperava pela sua? Ele não disse uma vez: “Eu acredito em nós”?
 

Mestres e professores podem vir a Terra em qualquer forma. Outra forma de definir um mestre é explorar o termo comparativo: "Bodhisattva" ou um ser que vem para avançar a humanidade a um nível superior de consciência evolutiva. Eles servem à humanidade, levantando-a e chamando-a para uma maior manifestação de si mesma – ou uma maior encarnação do que significa ser humano –, um novo possível ser humano que sem esforço casa a experiência humana com a inspiração divina. Mestres vêm em muitas formas, muitos corpos, em muitos disfarces e em muitos locais, e, ao contrário das expectativas, podem chegar em circunstâncias muito humildes. Eles chegaram em tempos antigos, porém existem versões modernas de mestres. Eles são suscetíveis de encarnar arquétipos reconhecíveis.

 



 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
Mestres são identificados pela mensagem deles, o trabalho dele e como eles se manifestam no planetasignificado como eles criam, abundância, energia, impacto, ou, definido mais esotericamente, como eles manipulam átomos, enquanto vivem em um corpo no planeta. Michael Jackson não tinha nenhum problema em se manifestar. Ele acumulou grande carisma, poder, riqueza e influência enquanto aqui. Ele educou toda uma geração, ou várias, na arte da intendência, a unidade da união e AMOR sem limites. Ele falou na linguagem universal da música. 

Alguém astuto, experiente e que presta atenção, verdadeiramente reconheceu a jornada de Michael Jackson e do caminho no qual ele estava enquanto ele estava vivo e durante os primeiros estágios da carreira dele. Uma mulher foi inspirada a procurar por mestres modernos na década de noventa. Uma autora, ela começou um livro sobre o que ela vislumbrou e reconheceu em Michael Jackson. Ela o contatou e pediu a aprovação dele para o livro, e ela conseguiu. Ela reconheceu o buscador espiritual e a mestria espiritual em Michael com o escopo da capacidade dele em se manifestar na realidade, nas intenções dele e nas coisas dos sonhos dele. Essa autora obscura reconheceu um mestre que ainda estava no corpo. (A maioria dos mestres só são reconhecidos depois que eles deixam os corpos dele.) O livro é raro, não é bem conhecido, e difícil de obter e, claro, caro. O livro: Michael Jackson Mestre Americano por C. Mecca, Cam Publishing, © 1996.
 

Eu imaginei que C. Mecca fosse, certamente, um pseudônimo com o próprio selo esotérico e mensagem disso ("ver Meca?"). E eu esperava que fosse mais um “livro fã" ou, na pior das hipóteses, uma obra de tablóide, mas o livro foi escrito por uma pessoa real e foi sancionado pelo próprio Michael. O livro é escrito em linguagem cifrada de um buscador espiritual com a compreensão de princípios teosóficos e hermética, Cristianismo Esotérico e com um comando de conhecimento espiritual esotérico e a linguagem que o acompanha. Ele exige outro buscador e alguém educado na literatura esotérica para reconhecer isso e o significado disso. De uma perspectiva histórica póstuma, esse livro é muito revelador. 

"Mestre" conota um rótulo que é difícil de definir. No espírito do livro C. Mecca, um mestre significa alguém que sabe que existem leis que regem o universo e que as aplica e acessa a criatividade dele através de canais intuitivos. Arte inspirada é sempre guiada dessa forma se o artista percebe ou reconhece essa orientação. "Artista inspirado", descreve o Michael Jackson que poucas pessoas conhecem. 

O que é mais curioso sobre este livro é que Bob Jones, que mais tarde escreveu um livro desprezível sobre Michael que é pensado para ser um volume de vingança, por ele ter sido demitido, sem a menor cerimônia, fala de Michael em termos elogiosos com cumprimentos no prefácio de Michael Jackson Americana Master. Esse mesmo padrão veio se repetir com muitos que vieram ao círculo íntimo de Michael Jackson e acabaram sendo corrompidos pela sedução da fama, fortuna e reconhecimento vicárrio. Aqueles que começaram a tomar como certo a posição deles na órbita dele, que se engajaram na competição e briga com os contemporâneos deles ou supuseram muita latitude, ou muito ou muito ego, tornando a própria demissão necessária. 

Michael, ao que parece, era como uma droga para aqueles em torno dele, que tiveram os egos elevados ou inflados por estar perto dele, provocando que os mandatos deles fossem encerrados. Michael não demitia pessoas, ele mesmo, não por que ele fosse um covarde ou indiferente, mas porque, como um sensitivo, o coração dele não teria sido capaz de tolerar conflitos ou infligir dor em outros. Sensitivos não são fortes em tolerar o sofrimento humano também. 

Muitas vezes, quando eles cairam e foram liberados do círculo íntimo de Michael, ex-funcionários ou confidentes ficaram ressentidos e decidiram continuar, por vender histórias “conta tudo” aos tablóides ou editoras. Eles puderam tanto lucrar com o frenesi e curiosidade alimentados por "um nome", perfeita vingança e descarregar a "indignação justificável" deles. Em vez de tomar um olhar mais atento sobre o que os levou à demissão, aqueles em torno dele, e dispensados do círculo íntimo dele, o venderam para uma imprensa faminta, que também barganhou o nome e fama dele e para uma audiência mundial.
 

 



 

 

 
 
 
 
 
 
 
Seja Imprecável Com Suas Palávras.
Não Faça Suposições.
Não Tome Nada Como Pessoal.
Sempre Faça Seu Melhor.
 
Parece-me razoável que os fãs possam querer valorizar não apenas as música e filmes realizados, que contam a extraordinária vida de Michael, mas os princípios pelos quais ele viveu. Talvez os fãs pudessem valorizar ter acesso a informações que o próprio Michael aprovou e sancionou em um livro escrito por alguém que também entendia as leis que regem o universo e reconheceu um mestre vivo do destino.

Para verificar a veracidade espiritual, alguém só precisa verificar-se com a Sétima Direção (que é o coração informado pela intuição – os conhecimentos do “peito”) para saber que havia algo de muito especial sobre este homem e na verdade de como ele viveu. A autora obscura, longe da versão tablóide ou a caricatura que assim aproveitou aqueles ansiosos para negociar o nome dele, traz um inusitado presente – um vislumbre dentro do que ele valorizava e um roteiro virtual do, e para, o legado dele. 

Michael perseguido e perseguiu conhecimento esotérico e profundo conhecimento; isso está estampado em todo trabalho dele. Um mestre que vive com uma compreensão dessas leis pode ter algumas conversas reais com as pessoas comuns, e não porque ele é superior a eles, mas porque ele está em contato com um conhecimento mais profundo, que elas ainda têm que acessar. Uma vez raro, o conhecimento esotérico, prática espiritual e a linguagem distintiva disso foram introduzidos à cultura ocidental através da introdução de meditação transcendental e da influência de Maharishi Mahesh Yogi. Feito popular pelos Beatles, cuja tendência em direção à espiritualidade se tornanado o principal começou a mudar na vida de Michael, quando cada vez mais ocidentais despertaram para uma realidade mais profunda através do estudo e da meditação. 

Que alívio deve ter sido para ele ter alguém reconhecendo e falando a língua dele no tempo dele próprio. Houve aqueles na época, e depois, que cinicamente ridicularizaram o conteúdo do livro e a posição e a opinião dele sobre Michael. Aqueles tão cinicamente inclinados não são maus, mas ignorantes. Eles não estão acordados ainda. Eles vivem dos egos e das mentes deles, em vez dos corações deles, ou da profunda sabedoria espiritual. Eles dormem e eles não estão prontos.

 



 








“Nós estamos apenas caminhando para casa
de cada um.” Ron Dass

 

 Michael Jackson era um homem que tanto nasceu muito cedo quanto se foi muito cedo. Os presentes dele para as pessoas deste planeta estão em camdas e só agora estão começando a ser reconhecidos. Há uma mensagem na música dele, na forma como ele viveu, mas a mensagem mais profunda está no que ele acreditava ser o verdadeiro legado dele era e isso é o que ele chamou de seus fãs.

Se você é um fã e você é chamado para o legado dele e você está pronto... Clique na aba "fazer essa mudança" e encontre "O Projeto", e se você se sente inclinado a isso, faça uma "contribuição" para continuar o trabalho.





Fonte: http://www.innermichael.com/2012/10/are-mj-fans-being-the-legacy-part-ii/


 

Uma história de suepense escrita por Michael Jackson.






História de Horror escrita por Michael Jackson

 
 

 Traduzido por Daniela Ferreira para o blog The Man in the Music
 
 

Michael Jackson escreveu esta história, intitulada "Kids on Swings" (Crianças nos Balanços). Ela foi escrita por Michael Jackson quando ele visitou o Reino Unido em 2006. Ela foi escrito em caneta preta e azul na parte de trás de cartas e fotos de um castelo irlandês georgiano...

Escrito como jogo, ela conta como Paris e Prince estão brincando em balanços até que o menino torna-se desinteressado e foge.
 

"Uma matilha de cães selvagens, então, persegue os dois como gritos de Paris pelo pai dela."

As duas crianças identificam um homem que trabalha em um campo com um facão. "Podemos vê-lo a trabalhar, mas não podemos ver o rosto dele.”

O personagem do Prince diz à irmã dele: "Ele assassinou a esposa e ninguém nunca viu os filhos dele, porque ele os mantém amarrados à cama como a esposa, antes de ele a matar. Ele os deixou com fome, primeiro, e, depois, ele os assassinou, Paris." 

A irmã dele, apavorada, admite estar assustada, antes de perguntar como ele os matou. "Ele fez isso com um facão, Paris." 

Na cena seguinte, Prince e Paris estão na cama – muito medo de dormir. Uma passagem torcida, então, descreve como o monstro tem uma cicatriz facial.

 “Ele deixou um homem com fome por 2 semanas", diz o texto. "Pouco antes de matá-lo, eles tiveram uma briga. O cara que ele estava tentando matar pegou a faca para atacá-lo.
Ele lhe cortou sobre os olhos.”

"Ele, depois, se assustou e correu para o que chamam de FLORESTA Negra sem fim... ele nunca foi encontrado novamente. Porque eles dizem que não há maneira de sair da Floresta Negra sem fim". 

Os dois jovens se aventuram na "Floresta Negra" para visitar o "homem louco". 

Tremendo de medo, as crianças espiam pela janela da casa antes de uma cena arrepiante em que ele cresça por trás deles.

Ele os apunhala quando eles tentam escapar das garras dele e Príncipe tem um ataque de asma e para de respirar.

O monstro, então, caça-os na floresta antes de Prince, aparentemente, morrer com a cabeça da irmã no “peito sem vida” dele. 

No final das contas, o homem carrega Prince de volta para a casa de campo e de mãos dadas com Paris. Ela é descrita como se sentindo "segura e amada por ele".

O homem leva Prince para a cama dele e coloca o cobertor sobre o menino doente, antes de se sentar em uma cadeira e observá-lo. Quando o irmão finalmente acorda do coma, Paris acalma o menino traumatizado quando ela lhe diz que o homem "não vai machuca-lo".

Linhas de fechamento dizem: Ele puxa os brinquedos do casaco dele. O que estava quebrado é, agora, emendado, consertada para Paris. Ele não roubou nossos brinquedos, Prince, ele os consertou. As crianças estão felizes em ver os brinquedos consertados novamente...

"O homem se levanta, caminha até a porta. Bem antes de ele sair, Príncipe agradece; eles trocam sorrisos e nós o vemos."



credits: michaelious and mjjphotos

 

Fonte; PositivelyMJForum






 

Celebrando o Mês de Invincible - Parte 4 : Threatened !!!



 
Celebrando Invincible - Part 4: Threatened!!!

 

Postado por Willa e Joie, em 27 de outubro de 2011.

Traduzido por Daniela Ferreira para o blog The Man in the Music.
 

Willa: Esta semana estamos olhando para "Threatened", uma história de horror muito incomum, contada do ponto de vista do monstro, que está tentando descobrir por que todo mundo está tão assustado com ele.

 “Threatened" começa com uma introdução por Rod Serling, mas é mais filosófica e psicológica do que assustadora. Como Serling diz, "A história de hoje é um tanto original e chama para um tipo diferente de apresentação".
Ele continua a dizer: "Um monstro chegou à aldeia", um cenário típico de filmes de terror, mas depois diz: "O ingrediente principal de qualquer receita para o medo é o desconhecido." Então, ao invés de encorajar-nos a sentir medo, como costumam fazer os filmes de terror, ele está nos pedindo para voltar atrás e analisar esse medo. Ele conclui a introdução com: "Oh, sim, eu me esqueci de algo, não foi? Esqueci-me de lhes apresentar o monstro", e nós, imediatamente, ouvimos a voz de Jackson cantar: “Você está com medo de mim." De repente, percebemos que ele é o monstro. E ele está tentando entrar em nossas cabeças e nos entender. 

Joie: É muito interessante você ter descrito o monstro dessa forma, porque não é esse o sentimento que eu tenho por essa música de jeito nenhum. Ela é absolutamente contada do ponto de vista do monstro, mas eu não acredito que ele não tenha ideia de por que todo mundo está assustado. Exatamente o oposto, na verdade. Ele sabe por que eles estão com medo e ele gosta. Não só o monstro sabe exatamente o que ele está fazendo, mas ele gosta de fazê-lo. Ele está, obviamente, se divertindo muito, assustando todas as pessoas.

Você deve estar me observando, você deve se sentir assustado.
Enquanto você dorme, enquanto você se arrastar, você deve estar assustado.

Toda vez que sua mulher fala, ela fala comigo, assustado.
Metade de mim você nunca será, por isso você deve se sentir assustado por mim.

É como se ele estivesse comemorando, deleitando-se com o efeito que ele tem sobre aqueles ao redor dele. Ele é algo de se observar e ele sabe disso e ele está insultando aqueles que o desprezam e o ridicularizam. Eles estão com inveja da beleza dele, do talento dele, do poder dele e ele joga isso na cara deles. "Você está com medo de mim, porque você sabe que eu sou uma besta", ele canta. É o tipo de lixo falando que você ouve de fãs de esportes e outros sobre ir para a batalha em qualquer dado jogo, quadra, placa de campo, ou de reuniões. 

Willa: Bem, Joie, concordo que ele era, certamente, "algo a ser observado!" E eu concordo que essa música tem um desafio, algo de jogar na cara – "lixo falando" é uma boa descrição. E pode ser que em alguns aspectos ele gostasse da reação das pessoas com medo dele. Mas eu também acho que ele vê esse medo como algo muito perigoso e ele está tentando entender de onde vem esse medo.
Para mim, esta é mais uma daquelas músicas que está diretamente abordando as atuais circunstâncias da vida dele. Os meios de comunicação e uma percentagem bastante grande da população o estão tratando como um monstro, e ele está explorando os motivos. Como o título sugere, ele acha que as pessoas o veem como um monstro porque se sentem "ameaçados" por ele, mas por quê? O que exatamente é tão ameaçador para tantas pessoas? De que eles estão com tanto medo?
Isso para mim é a questão crucial no centro do "Threatened", e as respostas que ele sugere são fascinantes. Eu tendo a oensar que as pessoas estavam assustadas pela maneira que ele turva as fronteiras de gênero, raça e sexualidade, mas ele aponta para uma origem diferentee ele tem bons motivos. Afinal, a frenézi do criticismo crítica da mídia começou antes que ele realmente começasse a transgredir os limites. Ele lançou "Leave Me Alone", uma resposta engraçada, mas desafiadora, para a histeria da mídia em 1989, quando a pele dele ainda estava bastante escura.
Também um dos heróis dele, Charlie Chaplin, foi demonizado pela imprensa como ele foi – Charlie Chaplin foi tratado como um monstro, um "leproso moral", por mais de 30 anos – porém Chaplin não desafiou os mesmos tipos de limites sociais que Michael Jackson desafiou. Vemos uma demonização similar de Elvis, de Barry Gibb, de Barbra Streisand, de Britney Spears. Na verdade, nós vemos esse tipo de mentalidade de multidão que ocorre com bastante regularidade ao longo de nossa história, onde a imprensa e o público se voltam contra um artista popular em maneiras realmente cruéis, e eu acho que Michael Jackson está usando "Threatened" tanto para empurrar contra essa mentalidade de multidão quanto para tentar compreendê-la.
Como podemos ver nas letras que você citou, ele sugere que há profundas razões psicológicas para essas feias caças às bruxas, incluindo sentimentos de inadequação e ciúme.
Afinal de contas, ele é um símbolo sexual – "Cada vez que sua esposa fala, ela fala comigo, ameaçado" – e um muito talentoso, muito bonito, muito bem sucedido astro do rock – "Metade de mim você nunca será, por isso você deve se sentir ameaçado por mim." Ele também é uma celebridade, e a fama dele o fez muito maior do que a vida e ninguém pode mensurar isso, por isso, agora, há um impulso para derrubá-lo do pedestal dele e diminuir-lhe o tamanho. 

Joie: Willa, enquanto eu posso concordar que essa música esteja a tratar os monstros usuais nas próprias experiências de Michael, eu realmente não acho que ele está tentando entendê-los, absolutamente. Isso não é o que está acontecendo aqui. Eu não acredito que ele está sugerindo qualquer tipo de razões para o medo e eu não acredito que ele esteja nem mesmo fazendo a pergunta "por que você está com medo". Em vez disso, eu sinto que ele está nos dizendo que ele já sabe exatamente o que está acontecendo. Ele sabe por que eles estão com medo. E não é apenas ele dizendo que ele entende, mas ele está deixando que eles saibam que eles estão certos. Eles têm um bom motivo para temê-lo. "Eu lancei um feitiço em você", ele canta. Então, ele diz o seguinte:

Seu pior pesadelo sou eu, eu estou em todo lugar
Em um piscar de olhos eu desaparecerei, e, depois eu voltarei para assombrá-lo.

Ele está deixando que eles saibam que ele não está indo embora. Eles devem se sentir assustados porque não conseguem se livrar dele. Ele é imparável. Eles se esforçaram – Sneddon, Dimond, os Chandlers, os tablóides – todos eles se esforçaram para derrubá-lo e eles podem tê-lo o derrubou para fora do jogo por um minuto, mas ele não está destruído.
Eles não acabaram com ele e, agora, ele está de volta, melhor do que nunca. Eles não podem silenciá-lo, eles não podem controlá-lo, eles não podem alcançá-l... eles não podem quebrá-lo. Portanto, basicamente, ele está terminando este álbum na mesma nota triunfante que ele o começo: dizendo a todos aqueles que tentaram detê-lo que, depois de todos os esforços dele e tudo o que ele passou, ele ainda está aqui. Eles "não podem acreditar... não podem conceber isso". Mas esta é a razão pela qual eles devem se sentir assustados.
O Refrão de "Threatened", que citei anteriormente, é o mesmo tipo de grito de guerra desafiador que vimos nas primeiras linhas de "Unbreakable".


Agora eu estou apenas perguntando, por que você acha
Que você pode vir até mim, com qualquer coisa
Parece que você já sabe
Quando e como, eu cai
e com tudo o que eu passei, ainda estou aqui 

É exatamente a mesma mensagem, apenas palavras diferentes. Em essência, com Invincible, ele acaba de ter o ouvinte em uma viagem que tem agora um círculo completo. Esta mensagem – que ele ainda está de pé "firme e rindo, enquanto emerge" – é tão importante para ele que ele sentiu a necessidade de repeti-la no final do álbum. Só para ter certeza de que nós entendemos, no caso dea termos perdido na primeira vez: 

Você deve estar me observando, você deve se sentir ameaçado

Ele soa glorioso nesta canção, como se ele estivesse se divertindo muito enquanto garavava os vocais. Como eu disse antes, soa quase como se ele estivesse celebrando, e o tom ameaçador da voz dele nessa faixa é levemente atada com alegria pura. Ele gosta muito do papel do monstro nessa canção e ele está se divertindo com isso.
E eu acredito que ele soa alegre, porque ele está desafiadoramente nos lembrando de que ele ainda está aqui e que a arte e as ideias dele – o amor dele – para sempre serão inquebráveis. Eles podem derrubá-lo do pedestal e tentar diminuir-lhe o tamanho, mas isso nunca vai realmente funcionar. Ele não vai embora e eles devem ter medo disso. "Metade de mim você nunca será, por isso você deve se sentir ameaçado por mim." 

Willa: Uau, Joie, isso é tão intrigante para mim. Quando começamos a jogar em torno da ideia de fazer um post sobre "Threatened" e cada uma de nós disse o quanto a amava, eu achei que nós a viamos da mesma forma e adorávamos pelas mesmas razões. Eu não posso acreditar que nós vimos essa canção de forma tão diferente. Eu realmente amo "Threatened" – é uma das minhas músicas favoritas em Invincible – mas eu nunca teria dito que era gloriosa ou alegre ou comemorativa.
Mas eu tenho que dizer, eu tenho ouvido muito isso muito ultimamente, e eu estou começando a chegar perto da sua maneira de pensar. Antes, eu estava tão concentrada em quão horrível deve ser ter todos pensando que você é um monstro, eu não poderia imaginar nada alegre sobre isso. Mas você está certa, essa também é uma posição muito poderosa para estar, e ele parece estar "se divertindo" com esse poder, como você disse antes. Ele definitivamente flexionou os músculos dele nessa música, e ele está gostando. Uau, você realmente expandiu a maneira que eu penso sobre essa música, e isso é muito interessante para mim.
Eu ainda vejo "Threatened" como um estudo psicológico criterioso, porém, isso é o que me atraiu para essa música em primeiro lugar. Eu acho que ele está explorando as razões pelas quais esa mentalidade de multidão feia irrompe tantas vezes contra artistas populares, e as razões que ele identifica são fascinantes e têm a ver com a natureza da celebridade em si, e esta estranha visão dupla de celebridades sendo tanto muito familiar para nós enquanto ainda essencialmente desconhecidas.
Você sabe, os filmes mais assustadores de terror não são sobre monstros do espaço exterior, eles são sobre alguém ou algo confiável e familiar tornando-se estranho e assustador. O pai, em O Iluminado, enlouquece e ataca a própria família. Os pais, em O Presságio, são assassinados por um filho que não é realmente filho deles.
A filha em O Exorcista está possuída por demônios e se torna irreconhecível. A mãe de O bebê de Rosemary descobre que o bebê dela é desova do diabo. Os monstros mais assustadores não são Godzilla e King Kongeles são uma boneca favorita ou urso de pelúcia ou o cão da família, pai ou filho ou um vizinho em que se confiava, quando viraam assassinos e atacam aqueles que mais os amam e confiam neles.
Michael Jackson era tão familiar a nós em muitas maneiras. Talvez o mais importante fosse a incrível capacidade de empatia dele com o público. Mais e mais, as pessoas falam sobre essa ligação profunda que sentiam com ele. Quando ele cantava, você se sentia como se ele soubesse o que você estava pensando e sentindo, e ele expressava seus próprios pensamentos e emoções de volta para você.
Como ele canta em "Threatened", "Eu lancei um feitiço em você", e ele tinha um feitiço sobre nós. Ficamos fascinados por tudo que ele fez. E ele não era apenas uma celebridade, ele era uma celebridade que cresceu em frente de nós. Nós sentíamos como se nós o conhecessemos desde que ele era um menino. Dessa forma, ele parecia muito familiar nesse sentido também.
Além disso, ele tal celebridade e tão incrivelmente bem conhecido que, assim, havia esse tipo de familiaridade também. Como ele continua a cantar em "Threatened": "sou eu, eu estou em todos os lugares". E é verdade, ele estava em toda parte, e ele ainda está. O rosto dele, a música, os passos de dança, a luva e chapéu, toda a iconografia dele – é realmente fantástico, a influência dele está em toda parte.
Eu estava assistindo a um vídeo Schoolhouse Rock com meu filho no outro dia, o chamado "Dólares e sentido", e, de repente, a personagem do desenho fez um moonwalk de volta a uma loja de música. Ele está até mesmo em Schoolhouse Rock. Você não pode escapar dele, assim como você não pode escapar dos zumbis em um filme de terror. 

Joie: Oh, Schoolhouse Rock! Eu adorava essas coisas. Mas exatamente! Esse é o ponto que eu estava tentando fazer aqui. Nós não podemos fugir dele porque ele está em toda parte. Assim como ele nos diz nesta canção, "O seu pior pesadelo sou eu, eu estou em todo lugar / Em um piscar de olhos eu desaparecerei, e, depois eu voltarei para assombrá-lo." Ele sabe que a influência dele é inevitável, ele sabe que não importa o que eles tentem fazer com ele, eles nunca serão plenamente capazes de escapar dele e, assim, ele os provoca com as palavras dele: "Você deve estar me observando, você deve se sentir ameaçado". 

Willa: Eu concordo. Mas, depois, ele cresceu e mudou, e algumas pessoas começaram a se perguntar se realmente o conheciam tão bem quanto pensávamos. Começou a haver esse medo profundo e indizível do familiar de tornando estranho e "assutador". Daí, um homem o acusou de abusar sexualmente do filho dele, e esse medo explodiu. E como ele nos diz em "Threatened", não podemos escapar desse medo porque não está vindo dele, está vindo de nós – está dentro de nós, dentro de nossas próprias mentes. São "os pensamentos obscuros" dentro de nossa própria cabeça:

 

Observando você quando você dorme
Quando você está na cama, eu estou debaixo
Você está preso em salões, e meu rosto são as paredes
Eu sou o chão quando você cai
E quando você gritar, é por minha causa
Eu sou o morto vivo, os pensamentos obscuros na sua cabeça
Eu ouvi o que você disse
É por isso que você deve se sentir ameaçado por mim 

Essa música me tira o fôlego. Parece tão brilhante para mim em muitos níveis, com profundos insights psicológicos, especialmente na forma como capta essa mistura complicada de medo e familiaridade que povo sentia por ele.
Mas antes de começarmos a falar, Joie, eu nunca tinha pensado sobre esse medo como uma força potencialmente poderosa para ele – algo que ele poderia usar para nos mover em caminhos psicológicos profundos – o que complica tudo isso ainda mais. Eu vim a concordar com você, soa como se ele estivesse se divertindo com esse poder, e, para mim, isso abre toda uma nova maneira de ver essa música. Uau. 

Joie: Bem, Willa, você fez alguns grandes pontos sobre o familiar se tornar assustador e ameaçador, e acho tudo isso muito fascinante. Mas para mim, "Threatened" sempre foi uma das minhas músicas favoritas do álbum Invincible e da primeira vez que eu a ouvi, eu sempre senti que essa era uma canção de triunfo e vitória.
Uma canção de folia ou júbilo. É uma exposição de tipos. "Olhe para mim, eu estou aqui e eu sou magnífico!" Essa é a mensagem que recebo dessa canção. Isso é o que eu ouço toda vez que eu a escuto. E, novamente, para mim, é uma reafirmação da mesma mensagem que ouvimos na primeira música do álbum.
E, para alguns, isso pode parecer um pouco de uma viagem de ego ou uma declaração ousada para que alguém faça, mas estamos falando de Michael Jackson aqui. O mesmo artista que flutuou uma estátua de 32 pés de si mesmo pelo rio Tamisa para promover um álbum. Essa façanha certamente tem gente falando, e eu imagino que "Threatened" foi, provavelmente, tencionada para fazer a mesma coisa.
No livro dele, muito aguardada, Man in the Music: A vida criativa e Obra de Michael Jackson, Joe Vogel diz que Michael tinha a intenção de fazer um curta-metragem completo com temática de terror para essa música, efeitos especiais de ponta, mas é claro isso foi desmantelado, quando a Sony retirou a promoção. Porntanto, nunca saberemos o que ele tinha guardado para nós com isso, mas tenho certeza de que, como a música em si, teria sido algo glorioso.